O Kria

Equity Crowdfunding para elas

Potencial de mudança em um mercado majoritariamente masculino

A venture capital (VC) First Round, uma das primeiras investidoras do Uber, teve saídas superiores a $3Bi neste ano — e ainda nem acabou março. Logo na entrada do escritório deles, no Vale do Silício, lê-se:

“O futuro é (das) fundadoras”.

Isso porque ao completar 10 anos (em 2015), a VC analisou a performance de seu portfólio — 300 startups investidas, 600 fundadores — e descobriu que empresas com pelo menos uma fundadora performaram 63% melhor que as fundadas apenas por homens.

Assim como a First Round Capital, muitas outras pesquisas já comprovaram que equipes com maior diversidade têm melhor desempenho e retorno financeiro. Ainda assim, em um mercado onde potenciais de negócios e equipes deveriam ser os fatores determinantes ao sucesso, as oportunidades para mulheres são mais escassas:

Um levantamento feito pelo Crunchbase no ano passado revelou que apenas 17% das startups que receberam aporte de venture capital têm ao menos uma fundadora. Quando falamos de mulheres CEOs, esse número cai para 2.7%!

De acordo com a U.S Small Business Administration, o investimento em fundadoras está diretamente ligado ao número de investidoras: quando há uma mulher a frente dos investimentos, o aporte em empreendedoras quase triplica (34% vs 13%). Em casos com mulheres CEOs, a discrepância é ainda maior (58% vc 15%).

Essa correlação ocorre, em parte, porque a maioria das startups de mulheres está em mercados considerados historicamente femininos (como moda e beleza), que são menos visados por investidores. Soma-se a isso a tendência dos investidores de aportar dentro de suas redes (ou com recomendações) como meio de aplacar os riscos. E a rede de contatos dos homens é majoritariamente masculina. O problema é que o mercado de capital semente também o é:

No Angelist, plataforma que introduziu os sindicatos de investimentos para investidores qualificados, em 2014 apenas 7,4% dos investidores eram mulheres. Adoraria ver estatísticas mais recentes deles mas, considerando que no ano passado só 8% das mulheres tinham cargos de liderança nas venture capitals, pouco progresso foi feito.

Mudar a dinâmica do mercado de venture capital poderá levar um tempo (percebeu que desde 2012, a porcentagem de fundadoras que receberam aporte não cresceu?). O que tem o potencial de transformar mais rápido o cenário do investimento em startups é o equity crowdfunding.

Vamos acabar com o monopólio masculino

Com o equity crowdfunding, não é necessário que trabalhe com venture capital ou seja uma investidora qualificada: todas podem investir em startups, a partir de R$500!

Estamos falando de milhões de pessoas com acesso a negócios de alto potencial de crescimento e impacto, investindo no que acreditam, e expandindo suas redes para além das fronteiras geográficas e sociais.

Para as fundadoras, é uma porta de acesso a investimento anjo — inclusive, a maior parte dos investimentos do Republic (plataforma americana) são em startups fundadas por mulheres.

No Kria, já temos empreendedoras brilhantes captando online — e faltam mais investidoras participando: queremos construir uma comunidade diversificada, capaz de impulsionar o empreendedorismo de forma igualitária para mulheres e as demais minorias sub-representadas no mercado tradicional.

No final, o que queremos é dar oportunidades iguais para os igualmente talentosos, independente do gênero, raça ou origem.

Às interessadas em investir em startups, fico à disposição para esclarecer toda e qualquer dúvida que tiverem (aqui: camila.nasser@kria.vc). E, se conhece alguma empreendedora genial em busca de capital, recomende-a para nós, que será um prazer analisar a oportunidade!


Equity Crowdfunding para elas was originally published in Kria on Medium, where people are continuing the conversation by highlighting and responding to this story.

Comentários

Nenhuma resposta para esse artigo.

Deixe seu comentário