O Kria BrewDog: utilizando o poder do investimento coletivo como parte central da estratégia de negócios

BrewDog: utilizando o poder do investimento coletivo como parte central da estratégia de negócios

Faz alguns anos, estava com alguns amigos cervejeiros e alguém falou “Vai abrir uma Brewdog aqui”. O Burba, aliás o mais cervejeiro de todos nós, já emendou cheio de orgulho: “Eu já fui, é muito bom”. Fiquei meio sem saber como ele já tinha ido, afinal o bar nem havia sido aberto oficialmente. Perguntei para o Rodrigo como isso era possível e ele me respondeu. “Ah, é que ele é sócio, e sócios têm seus benefícios”.

Na hora fiquei meio sem entender. A verdade é que sabia pouco sobre crowdfunding e menos ainda sobre o modelo da Brewdog. Passados alguns anos e após ter mais proximidade com o crowdfunding em geral, resolvi estudar o case e procurar entender o poder do capital coletivo. Bastou um breve estudo do histórico da Brewdog e do seu programa Equity for Punks para entender que, na era das mídias sociais e comunidades, do compartilhar e curtir, da desintermediação e do peer-to-peer, o investimento coletivo pode ser muito mais do que uma opção de financiamento, ele pode ser uma estratégia de negócios.

Beber Brewdog não basta, seja dono da Brewdog

Oriunda da Escócia, a cervejaria fundada em 2007 por 2 jovens de 24 anos é hoje uma das maiores, se não a maior, referência mundial em cervejas artesanais, contando com mais de 1.000 empregados e 46 bares em diversos países. O dado mais impressionante, no entanto, são os mais de 70.000 acionistas e 60 milhões de libras (R$ 315 milhões) captados em 5 rodadas com investidores pessoas físicas de todo o mundo! Já em 2009, fez sua primeira rodada de crowdfunding atraindo mais de 1.300 investidores. É evidente que os fundadores logo entenderam que ao atrair a própria base de consumidores para o quadro societário da empresa, eles ganharam uma legião de embaixadores que impulsionaram seu crescimento de forma incrível. E os consumidores que toparam financiar a cervejaria foram recompensados com enorme retorno financeiro e o orgulho de fazer parte de uma das marcas mais emblemáticas dos últimos anos Alinhamento total de interesses.

Mas apenas convidar seus consumidores para investirem na empresa não é o bastante — há que saber utilizar e alavancar o poder de rede e da comunidade em torno de sua marca. A Brewdog demonstra enorme habilidade em comunicar-se com seus acionistas e oferecer-lhes inúmeros benefícios: convite para pré-inaugurações de bares ao redor do mundo, descontos, livros, possibilidade de compra de cervejas exclusivas, etc. O sucesso é tanto que na sua última assembléia de acionistas haviam mais de 7.000 pessoas presentes (Warren Buffett que se cuide, o Lollapalooza do capitalismo pode em breve deixar de ser as assembléias da Berkshire). Até para captar a empresa utiliza sua comunidade: acionistas que trazem outros acionistas ganham ações de bonificação.

“Screenshot” do site do Equity for Punks, programa de crowdfunding da Brewdog

Ouso afirmar que a Brewdog não estaria onde está caso tivesse optado por um modelo de financiamento “convencional”. Provavelmente seus consumidores não fossem tão fiéis, talvez eles não indicassem a cerveja para seus amigos com a mesma veemência, talvez a expansão internacional fosse muito mais complicada sem acionistas presentes no mundo inteiro.

Hoje, no Brasil, algumas empresas já utilizam esta forma de financiamento como parte de sua estratégia de negócios. Temos aqui no Kria casos interessantes — alguns inclusives relacionados à cervejas, como Leuven, What’s on Tap e ChoppUp (parece que essa indústria tem um dom próprio de cultivar comunidades) — mas o potencial ainda é muito pouco explorado. As plataformas de investimento coletivo como o Kria já estão presentes no mercado brasileiro e a instrução normativa 588 da CVM fornece segurança regulatória para que os muitos interessados em investir em suas marcas preferidas concretizem seus sonhos. Ainda que de forma tímida, as empresas começam a se dar conta do poder da sua própria comunidade. As conquistas da cervejaria Brewdog certamente servem como inspiração.


BrewDog: utilizando o poder do investimento coletivo como parte central da estratégia de negócios was originally published in Kria on Medium, where people are continuing the conversation by highlighting and responding to this story.

Comentários

Nenhuma resposta para esse artigo.

Deixe seu comentário