Investidor Começando a investir em Startups

Começando a investir em Startups

O investimento em startups foi, por muito tempo, restrito a um número pequeno de investidores com muito dinheiro, tempo e bons relacionamentos. Com a possibilidade de investir pela internet em negócios inovadores, investidores anjos se deparam com uma maior gama de oportunidades e podem, mais do que nunca, gerir seus próprios portfólios de investimento.​

Estabelecendo sua tese de investimento

Você pode se atrair por investimentos que prometem bons retornos — seja pelo potencial do mercado ou da empresa em particular — ou impacto socio-ambiental positivo. Independente de suas motivações ou critérios de investimento, determine seus objetivos e propósitos que guiarão suas tomadas de decisões como investidor.

Alguns dos critérios que investidores anjos consideram antes de aportar são:

  • Estágio da empresa
  • O mercado
  • Geografia
  • Modelo de negócio
  • Impacto Social

Uma vez criada sua tese de investimento, estabeleça a estratégia de aportes para um prazo de dois a sete anos: Qual o valor médio que pretende investir por negócio? Em quantos negócios pretende investir por ano?

Diversificação do Portfólio

Não se engane, investimentos em startups, via crowdfunding ou não, são de alto risco. Em média 50% das novas empresas fecham após um ano, por isso estes investimentos devem representar de 5–10% de sua carteira de ativos.

Dentro da alocação de recursos para empresas nascentes, você deve considerar diversificar os investimentos entre várias startups para diminuir o risco, aceitando que a maior parte delas irá falhar e, provavelmente, a melhor empresa irá valer mais do que todas as outras juntas.

Diversificar o risco não significa, entretanto, que o investidor deve distribuir seu capital entre o maior número de empresas possíveis, mas sim encontrar aquelas poucas (10–20) que acredita que irão alcançar um sucesso monstruoso.

Algumas precauções

  1. Comece pequeno. Só aumente seus investimentos à medida em que tenha adquirido conhecimento suficiente sobre capital de risco, e nunca invista mais do que 5% do seu patrimônio em startups.
  2. Ao contrário de ações negociadas em bolsa, investimentos em startups (além do alto risco) têm baixíssima liquidez e não poderão ser resgatados a qualquer momento, portanto não invista se não tiver capital para manter aplicado por pelo menos 5–7 anos.

Comentários

Nenhuma resposta para esse artigo.

Deixe seu comentário