Comunidade La Muu: o sorvete da comunidade

La Muu: o sorvete da comunidade

Oferta da estoniana superada em 2351%

Na semana que passou, a marca de sorvetes estoniana La Muu fez uma captação histórica.  A oferta terminou com 1875 investidores interessados, e a meta foi superada em 2351%, um total de €4.7 milhões. A marca, que produz sorvetes orgânicos desde 2012, tem um market share de 22% no segmento de potes 0.5l (os números são impressionantes 😮) mas o que mais chama atenção é a visão da empresa quanto a sua abertura para captação pública.

“Nossas interações com os clientes sugerem que a marca da La Muu tem um relacionamento emocional notavelmente forte com nossos clientes. Agora, queremos levar esse vínculo a um nível totalmente novo, convidando os fãs a investir na empresa e, assim, se tornar parte da nossa história de crescimento.’’

O dinheiro arrecadado nessa captação será usado para comprar novas máquinas que permitirão lançar de 2 a 3 novos tipos de produtos (por exemplo, cones), melhorar a eficiência da produção e aumentar as exportações, com isso as vendas anuais se projetam de € 0,8M para € 2,4M além de melhorar significativamente o  EBITDA da empresa.

Agora, que você já conhece esse projeto, que tal dar uma conferida na campanha de lançamento da oferta ?

Aqui no Brasil, país tropical e com o mercado de sorvetes avaliado em USD 11.3 bilhões até 2025, a conversa sobre captação com os fãs das marcas ainda está distante. Na maioria das vezes as sorveterias procuram aumentar seus negócios através da expansão de lojas ou mesmo com franquias, mas o que sabemos é que o mercado de sorvetes é altamente promissor e possui consumidores fiéis e o equity crowdfunding é uma oportunidade ainda não explorada.

De acordo com a analista de Pesquisa da Euromonitor International no Brasil, Caroline Kurzweil, o Brasil é detentor de 40% do mercado sorvetes na América Latina, o consumo per capita no Brasil já está acima da média mundial, de 5,3 litros por habitante/ano. De acordo com o presidente da ABIS, a média no país é de 5,44 .

A oportunidade é clara e órgãos do setor do empreendedorismo como o afirmam “Há um campo vasto para o empreendedor que decidir apostar nesta área”, sublinha Anderson Gonçalves de Freitas, gestor de projetos do Sebrae/MG.

No Brasil existe uma grande lacuna a ser preenchida em relação a exportação desse produto. De acordo com o professor
Diego Bonaldo Coelho,  do Observatório de Multinacionais da ESPM/SP a mentalidade brasileira é voltada para o mercado interno e
há uma sinalização interessante no processo de internacionalização de empresas brasileiras no mercado externo “Neste sentido, a empresa precisa ser competitiva e ter diferenciais para o mercado”, enfatiza. Como no caso da La Muu que está apostando na internacionalização como forma de expansão, vemos que no Brasil esse é um caminho a se seguir também.

Em uma sorveteria você de modelo tradicional você tem um ou poucos sócios, o que a La Muu fez foi dar a possibilidade de seus fãs também serem donos dessa marca tanto quanto os fundadores da mesma, dessa forma são mais de 1800 donos de um negócio agora com outras proporções. A comunidade criada a partir desses investidoras passou a ter uma força e relevância que sozinhos os fundadores jamais imaginariam ter.

Todos sabemos que todos os processos que trouxemos aqui, como a expansão do negócio internacionalmente, a informação ao consumidor final e o aumento da distribuição do produto são beneficiados quando uma marca tem a ajuda do seu bem principal, as pessoas que constroem essa marca com ela, seus consumidores, e nada mais empolgante que ter essas pessoas nessa caminhada de construção de uma marca.

Já pensou se essa moda pega, e as sorveterias aqui no Brasil também apostassem nessa ideia ? Qual marca de sorvete você investiria e por que ?

Comentários

Nenhuma resposta para esse artigo.

Deixe seu comentário